24 de julho de 2017 - 15:01

Professora da FAG Toledo e egressa de jornalismo apresentam documentário em Seminário da Unila

Compartilhar esta notícia
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Facebook

A professora Rosselane Giordani e a egressa do Curso de Jornalismo da FAG, Camila Andrade participaram do Seminário Memórias, Territórios e Afetos

Com o objetivo de discutir territorialidades, migração, fronteiras e suas memórias a Universidade Federal de Integração Latino Americana (Unila) realizou no mês de julho o Seminário Memórias, territórios e afetos. O evento aconteceu no campus da Unila em Foz do Iguaçu e contou com a participação da professora do Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz, Rosselane Giordani e também da egressa do Curso de Jornalismo, Camila Andrade.

Segundo a professora Rosselane a oportunidade em participar do evento veio por meio do convite institucional da Unila através da professora Franciele Rebelato, do Curso de Cinema  e Audiovisual. “Na oportunidade falamos sobre a experiência que foi estabelecida com a Unila por meio do Projeto de Extensão Cinema na Curva do Rio, que passou por Toledo na época em que atuava como secretária de cultura do município. Desse projeto desenvolvemos o Festival de Curtametragem – Curta Toledo, pela prefeitura de Toledo que também contou com a parceria da Fasul na época”, lembrou Rosselane. “Esse projeto chegou em Toledo e capilarizou outras forças que fizeram nascer o Festival de Curta e o incentivou produções audiovisuais que retratassem nossa região”, frisou a professora. Ela conta ainda que o resultado desse trabalho foi relatado no artigo “Festival Curta Toledo:narrativas audiovisuais da região oeste do Paraná e também no artigo sobre o documentário “Jejuvy - Uma luta incansável: da discriminação da sociedade à tentação dos espíritos”, que foi publicado na I Edição da Revista Conectando Saberes e Práticas com o tema "Audiovisual e Comunidade", que trouxe projetos parceiros da região. No seminário foi feito o lançamento da Revista que trouxe relatos de experiências, artigos e memórias da rede audiovisual e afetiva construída nos últimos anos na fronteira trinacional. De acordo com a professora Franciele Rebelato a Revista PET Conectando Saberes e Práticas nasce neste entrelugar e sobre uma territorialidade marcada pela terra marrom paranaense e entre as águas crescentes das Cataratas do Iguaçu, dos Rios Iguaçu e Paraná e, ainda, ao lado do lago da Itaipu Binacional. “A Revista tem o intuito de ser um espaço de troca de conhecimentos, discussão e difusão, tematizando questões relacionadas ao território, à memória e às poéticas audiovisuais, considerando as possibilidades de diferentes diálogos interdisciplinares, diante da característica central do Programa de Educação Tutorial da UNILA”.

Outro trabalho que também foi apresentado no Seminário foi o Documentário produzido pelas egressas de Jornalismo Camila Andrade e Sindy Sphor, orientadas pela professora Rosselane Giordani. O documentário foi produzido como trabalho de conclusão de curso. “Esse trabalho é motivo de muito orgulho para nós, apresenta-lo na Unila para alunos do Curso de Cinema e falar sobre a experiência de olhar para nosso território do ponto de vista das memórias, dos olhares dos seus personagens revelou-nos histórias dramáticas sobre o ‘esmagamento’ da comunidade indígena guarani em Guaíra”, afirma a professora que orientou o documentário”. Para Camila Andrade, jornalista pela formada pela Fasul em 2015, o documentário revela também a identidade cultural da região oeste, ao mesmo tempo em que denuncia o drama do suicídio entre jovens nas aldeias indígenas Guarani no município de Guaíra. “Compartilhamos da nossa experiência como jornalistas em contar histórias por meio da linguagem audiovisual que tem um alcance e um poder de sensibilização das pessoas”. A professora Rosselane Giordani relata ainda que o Documentário Jejuvy também foi apresentado no Seminário Nacional de Sociologia da Universidade Federal do Paraná (2016), Semana Acadêmica de Ciências Sociais da Unioeste/Toledo (2016) e também conquistou o 2 lugar na categoria audiovisual no Prêmio Sangue Novo (2016), promovido pelo Sindicato dos Jornalistas do Paraná. “Isso demonstra que estamos no caminho certo, nossa missão é formar jornalistas que façam a diferença e o reconhecimento a estes trabalhos coroa o trabalho de todos, professores, acadêmicos e universidade”, destacou Rosselane.

Imprimir Notícia      Indicar Notícia